Homem declarado morto tem alta e deixa hospital: 'Outra pessoa', diz irmã

Valdelúcio de Oliveira chegou a ser declarado 
morto 
Valdelúcio de Oliveira, de 54 anos, que foi declarado morto pelo Hospital Geral Menandro de Faria (HGMF), em Lauro de Freitas, região metropolitana de Salvador, recebeu alta médica do Hospital Santo Antônio, na Cidade Baixa, onde ele estava internado, na terça-feira (16).

Segundo Áurea Gonçalves, irmã de Valdelúcio, ele irá continua fazendo sessões de quimioterapia e radioterapia para combater um câncer. "Ele já está em casa, está bem, conversa. É uma outra pessoa", comemora Áurea.

O paciente foi declarado morto e, duas horas depois, encontrado vivo. O caso ocorreu na madrugada do dia 25 de agosto. O Hospital Geral Menandro de Faria abriu sindicância para apurar o que pode ter acontecido.

Valdelúcio escreveu recado atribuindo melhora a
milagre de Irmã Dulce 
A família do paciente disse que o dinheiro direcionado aos gastos com o caixão seria doado às Obras Sociais de Irmã Dulce (OSID). Em bilhete escrito um dia após o caso, ele atribui melhora a um milagre de Irmã Dulce.

"Eu, Valdelúcio, vi a morte aos meus pés, mas a minha fé foi tão grande que eu me curei. Diante da santa Irmã Dulce, eu disse: opere mais um milagre para mim e fui atendido. Só tenho a agradecer a toda essa equipe e à minha Irmã Dulce. Por tudo e por todos, obrigada. Eu vi a minha mãe dizendo: filho, se apegue com ela e será salvo", afirmou.

Caso

Segundo a família de Valdelúcio, ele descobriu há três meses um câncer em estágio avançado e, no dia 25 de agosto, se sentiu mal e foi levado para o hospital em Lauro de Freitas. O paciente foi dado como morto por volta das 23h.

A família revelou que a equipe médica retirou os aparelhos que estavam conectados e levou o paciente para o necrotério já com algodões no ouvido e nariz. Um atestado de óbito emitido pelo hospital comprovou a morte de Valdelúcio.

Atestado de óbito entregue à família de Valdelúcio 
Em entrevista ao G1, o irmão de Valdelúcio, Waltério Gonçalves, contou como percebeu que o paciente estava vivo. "A gente já tinha encaminhado todo funeral e eu tive acesso ao necrotério, pois eu ia colocar a roupa para a funerária vir buscar o corpo. Foi nesse momento que eu percebi que ele ainda estava respirando. Aí chamei a equipe médica, chamei o enfermeiro, que constatou que ele estava vivo", contou. Em nota, a Secretaria de Saúde (Sesab) informou que "uma sindicância foi aberta para apurar o ocorrido, e o resultado deve sair em 30 dias".

Revista Novo Perfil online
Fonte: G1 BA
Fotos: Cássia Bandeira/G1 BA, TV Bahia e Acervo Pessoal
Share on Google Plus

Postado por: Revista Novo Perfil

“O Mundo não lembra dos que não se fazem lembrar”. Anuncie Conosco. Contato: TIM (83) 999-386-921 E-mail: revistanovoperfil@hotmail.com
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários :

Postar um comentário